loja

Não há dúvidas de que o e-commerce veio para ficar. Essa modalidade de negócio explodiu na pandemia e o faturamento do comércio online no Brasil teve crescimento exponencial e expressivo nos dois últimos anos. Para se ter uma ideia, as transações online de compras de materiais de construção em 2021 aumentaram 74% em relação a 2020, segundo um levantamento feito pela Visa Consulting & Analytics. O mundo mudou e é preciso embarcar nas transformações digitais. Hoje, a presença no mercado virtual para comerciantes do setor de construção é algo a se pensar. Trata-se de mais uma
O crescimento das compras online, impulsionado pelo distanciamento social dos dois últimos anos, trouxe como necessidade o planejamento de novos fluxos logísticos nas operações para gerenciar pedidos com diferentes origens, de forma integrada, trazendo as técnicas omnichannel também para pequenas e médias lojas. E é aí que entra a fórmula BOPIS (“buy online, pickup in store”), conhecida no Brasil como: compre e retire ou clique e retire. Segundo levantamento da CommerceHub, 93% dos consumidores preferem retirar seus pedidos na loja física, desde que os receba antes e/ou com custos de envio reduzidos.   Como funciona o
Um dos maiores problemas enfrentados pelos lojistas do varejo de materiais de construção é a alta rotatividade e a dificuldade de encontrar profissionais interessados em exercer a função de vendedor de loja e que possuam as características necessárias para esse posto em questão. Afinal, eles são a peça-chave na loja de materiais de construção e precisam estar sempre preparados, tanto com conhecimento técnico sobre os produtos que vendem, quanto também com conhecimentos de vendas e de comportamento do consumidor. Outro fator fundamental é que a equipe se reconheça em seu líder de vendas, afinal, é ele