PEI: você sabe o que é e para que serve?

12 set 2022

Você sabia que existe uma classificação para os revestimentos cerâmicos? Essa classificação se chama PEI e
segue uma tabela e está ligada diretamente ao nível de resistência à abrasão e pode ser utilizada
na hora de escolher corretamente o produto mais indicado para o seu objetivo e para cada tipo de
ambiente.

A sigla e abreviatura PEI (Porcelain Enamel Institute) é o ensaio normativo de placas cerâmicas
que tem por objetivo avaliar a resistência a abrasão (desgaste do material) sob carga abrasiva
padronizada, classificando os produtos de 0 a 5, sendo 0 o de menor resistência e 5 o de maior
resistência ao desgaste sem permitir a impregnação permanente de sujidades.

Segundo Fernando Silva, gerente do LAbCCB, Centro Cerâmico do Brasil (CCB), o PEI
correlaciona a resistência do produto ao tráfego de pessoas sem que altere as suas
características. No senso comum, quanto mais alto o tráfego, mais resistente o produto é ao
desgaste causado pelo tráfego de pessoas sobre ele. “Na verdade, ele apenas define o nível de
resistência ao desgaste do esmalte de uma peça cerâmica, determinando a sua maior ou menor
durabilidade diante das condições de uso”, ressalta.

Ainda de acordo com a especialista, a resistência à abrasão, no caso de pisos e revestimentos, é
remetida pelo PEI e indica o nível de resistência ao desgaste do esmalte que cobre um tipo de
piso ou revestimento. “Ela é de suma importância para a segurança aos usuários, é utilizada para
eleger os pisos conforme sua respectiva resistência ao desgaste dos pisos com seus
respectivos usos, em função do trânsito no local, por exemplo (baixo, médio, moderado e alto)”,
ressalta.

Classificação dos revestimentos cerâmicos

As classificações para placas esmaltadas destinadas aos pisos segue a sua classe de resistência
à abrasão e uma classificação aproximada é fornecida apenas para fins de direcionamento (ver
NBR ISO 10545-7). No entanto, não deve ser aplicada para fornecer especificações precisas do
produto para aplicações específicas.

Ainda, segundo dados do Centro Cerâmico do Brasil (CCB), a determinação da resistência à
abrasão superficial, comercialmente conhecida por PEI, consiste em rotacionar em ciclos de 100,
150, 600, 750, 1500, 2100, 6000 e 12000, uma carga abrasiva formadas por esferas de aço, água
e alumina, sobre a superfície de placas cerâmicas esmaltadas, para determinar em qual ciclagem
é possível visualizar a abrasão. Esse método de ensaio simula a resistência de pisos esmaltados
ao fluxo do tráfego de transeuntes.

A classe de abrasão (PEI), ao contrário do que é comumente praticado no mercado, não tem a
finalidade de ranquear a qualidade dos revestimentos cerâmicos (quanto maior, melhor), mas sim,
determinar o local para aplicação, por exemplo: área externa ou interna, baixo ou alto tráfego etc.

Esta classificação é válida para aplicações em condições normais. Convém que seja dada
importância ao calçado, tipo de tráfego e métodos de limpeza esperados, e convém que os pisos
sejam adequadamente protegidos contra sujidades abrasivas nas entradas dos edifícios pela
colocação de dispositivos de limpeza de calçados.

Em casos extremos de tráfego pesado e
quantidades de sujidades abrasivas, placas para pisos não esmaltados e quarries do Grupo I
podem ser considerados.

Normas de especificação e a relação com o PEI

Na revisão atual da norma NBR 13816, a declaração do PEI já pode ser substituída pelo local de
uso. Algumas empresas, como a Incefra, onde os formatos 25×35, 35×35, 45×45, 57×57, utilizam
declaração por PEI, em demais formatos são declarados indicação do uso e não se aplica o PEI.

Entretanto, a aplicabilidade do teste terá ainda finalidade para auxiliar as empresas a classificar
os seus produtos, sempre, é claro, não levando em consideração apenas o PEI, mas também as
outras características do produto que podem afetar esta indicação, por exemplo, a resistência ao
escorregamento.

Já a NBR 15575, Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais, reforça
o já prescrito por outras normatizações, como a NBR 13816 – Placas Cerâmicas para
Revestimento, quanto ao cuidado na eleição dos pisos e revestimentos conforme seus
respectivos PEIs, sempre priorizando a segurança do usuário.

Vale consultar as normas abaixo para evitar problemas de especificação:

NBR 13816– Placas cerâmicas para revestimento – Terminologia
NBR 13817– Placas cerâmicas para revestimento – Classificação

 

Aproveite e leia também: https://www.grupofragnani.com.br/blog/como-escolher-o-revestimento-ceramico-para-parede/

Deixe o seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdos relacionados

Gostou do conteúdo? Compartilhe!