Revestimentos escuros: dicas para construir uma decoração com revestimentos escuros

A hora de escolher os revestimentos para a própria residência é um tanto quanto desafiadora. Isso porque, diferentemente de outros materiais que estão ligados a etapas estruturais, o revestimento é o acabamento que ficará visível para os frequentadores de determinado ambiente. Por isso, além de se preocupar com a questão funcional do material, a escolha estética é de suma importância.

 

Com cada vez mais alternativas de cores e texturas diferentes no mercado, escolher a ideal para o seu gosto também é um desafio. E para começar a enfrentá-lo, antes de definir qual a melhor cor de revestimento para aquele ambiente, é preciso compreender qual o tipo de sensação que você deseja sentir ao estar ali. Locais como quartos, por exemplo, costumam ser decorados para o descanso, e a escolha do revestimento tem grande importância para contribuir nisso.

 

Buscando sofisticação e, muitas vezes, sobriedade, muitas pessoas têm optado pelos revestimentos escuros. A tonalidade do preto, cinza ou tons amadeirados escuros, atraem muitos perfis de públicos, no entanto, é comum muitos pensarem que essas cores trazem uma sensação de peso para os ambientes em qualquer caso. Será verdade?

 

Revestimentos escuros: como utilizar?

De acordo com a arquiteta Sabrina Salles, é possível utilizar esses revestimentos escuros sem dar um ar tão pesado para os ambientes. “Se a arquitetura, o design da peça ou do móvel permitir que você deixe a volumetria leve, você pode aplicar o escuro. O escuro dá a sensação de profundidade, em um fundo ou em um nicho traz a sensação que o bloco

está solto dos demais, e uma boa iluminação vai fazer com que pareça mais leve”, explica a arquiteta.

 

“Eles imprimem um ar bem sofisticado. E equilibrando com uma boa iluminação e pontos mais claros, eles não vão pesar. Outra dica é ser usado de forma pontual, dando profundidade nos espaços”, complementa.

 

Uma dica bem interessante para quem busca cores de fácil combinação e que ajudem a manter o ambiente com a sofisticação desejada é utilizar tons neutros. “Gosto muito de utilizar cores caramelo, a palha e tons neutros, como o cinza claro, sendo misturados com grafite, preto, vermelho-queimado e azul-petróleo. Mesclar com o dourado também fica interessante para funcionar como um ponto de luz”, orienta Sabrina.

 

A importância da qualidade do revestimento

Como falamos no início, a estética é sempre lembrada na hora de escolher os revestimentos. No entanto, não se pode esquecer que esse revestimento tem uma função importante de proteção ao substrato em que ele está inserido e que uma escolha que não apresente qualidade pode acarretar em dores de cabeça, como o desplacamento de peças cerâmicas.

 

Antes de escolher as cores do revestimento cerâmico, busque realizar um comparativo entre as principais marcas do mercado e em diferentes lojas de materiais de construção – no mínimo, três. Compare não só apenas o preço dos produtos, mas converse com os lojistas para saber mais sobre a marca antes de realizar a compra definitiva. Cheque as possibilidades de troca, tempo de mercado, portfólio de produtos e, claro, sua presença digital.

 

Check-list: como escolher revestimentos escuros

  • Determine qual a sensação que você deseja para o ambiente que será revestido;
  • Busque cores escuras que possam ser combinadas com outras cores, de preferência com tons neutros;
  • Mescle as cores de revestimento para obter a sensação de profundidade nos espaços e equilibre com tons mais claros;
  • Não utilize somente tons escuros no mesmo ambiente para evitar que ele passe a sensação de pesado;
  • Compre revestimentos de fabricantes com qualidade e nome no mercado, a fim de evitar dores de cabeça;
  • Se estiver com dúvidas, não deixe de consultar um designer de interiores, arquiteto ou decorador para te ajudar.

 

Para não ter dúvidas sobre que cor aplicar no seu ambiente, criamos o simulador 360°. Confira: https://www.incenor.com.br/app/webroot/simulador/