Como aplicar o Funil de Vendas em lojas físicas?

Uma coisa é fato: se você é lojista ou empreendedor, já deve ter ouvido falar em funil de vendas. Trata-se de um modelo estratégico que separa por etapas a jornada de compra do cliente em potencial e que tem como objetivo otimizar e impulsionar o processo de vendas de um negócio. 

Também conhecida como pipeline, essa técnica de vendas é muito utilizada no marketing digital de empresas com comércio online. Mas, pouco se discute sobre a aplicação desse modelo no varejo presencial. Thiago Oliveira, produtor de conteúdo no YouTube e fundador da Varejo Ativo, garante que é possível aplicar o funil de vendas em lojas físicas e, ainda, mesclar estratégias desse modelo com ferramentas digitais, como Instagram e WhatsApp.

“Hoje, o maior desafio do dono de loja é planejar”, alerta Oliveira. De acordo com o especialista em pessoas e varejo, o funil de vendas contribui para que o lojista reflita sobre as suas estratégias de aparecer, relacionar e vender, que, segundo ele, são as três etapas do funil em lojas físicas. Entenda cada uma delas:

  • Aparecer

Dono de uma rede de lojas em Minas Gerais, Oliveira explica que a primeira etapa do funil de vendas no varejo físico deve ser aumentar a visibilidade do negócio. Afinal, é preciso ser visto para ser lembrado. Segundo ele, existem diversas estratégias para se mostrar no mercado, que vão desde anúncios no Google Meu Negócio e no Instagram, até eventos presenciais. É importante atrair visitantes na loja para estimular o cadastro de pessoas e gerar leads qualificados. 

“Existem inúmeras maneiras de como atrair pessoas para o varejo físico, mas o importante é utilizar a criatividade. O digital é uma oportunidade de trazer pessoas para o funil, assim como o modelo offline. Uma dica: crie eventos dentro de loja, um festival de cerâmica, por exemplo, ou uma ação com algum arquiteto que fale sobre tendências do mercado de decoração”, explica. 

  • Relacionar

Depois de atrair pessoas e gerar leads qualificados, é hora de criar laços e converter oportunidades. No meio do funil, está o relacionamento, que pode ser feito com estratégias simples como lembretes de aniversário, sorteios exclusivos ou coquetel na loja para clientes selecionados. 

“É importante que o dono de loja entenda que diversificar o relacionamento é necessário. Mais uma vez, a criatividade é importante. Fuja do convencional. Ofereça, por exemplo, cursos para pedreiros e encontros entre arquitetos e engenheiros”, reflete o especialista.

  • Vender

A última fase do funil é vender e fidelizar clientes. Tão importante quanto aparecer e relacionar, criar estratégias de vendas, como a gamificação, e ter um time qualificado é essencial para a jornada do cliente. 

“Para essa etapa, é importante que o time seja forte e esteja pronto, mesmo em épocas com baixo fluxo de pessoas na loja. Não adianta nada ter um marketing maravilhoso, se o sistema de vendas e o financeiro da empresa não funcionam bem”, acrescenta Oliveira.

 

De olho nas métricas

É preciso olhar para o funil como um panorama da saúde das vendas do negócio. Por isso, é interessante que o lojista observe algumas métricas. De acordo com o fundador do Varejo Ativo, existem alguns indicadores que merecem atenção: número de pessoas que entram na loja e cadastros realizados; quantidade de atendimentos efetuados; taxa de conversão e ticket médio de vendas. 

 

O WhatsApp é uma ferramenta importante e que pode ser utilizada em todas as etapas do funil, seja para visibilidade, relacionamento ou vendas. E que tal aprender a implementar essa tecnologia na sua loja de materiais de construção? Clique no link e saiba como: https://www.grupofragnani.com.br/blog/vendas-pelo-whatsapp-business/